Informações Clínicas para o Público

Disfunção Sexual Masculina

A Disfunção Eréctil (incapacidade persistente para obter ou manter a erecção) é umas das disfunções sexuais mais frequentes no homem. Mais prevalente conforme a idade avança (surge geralmente depois dos 40-45 anos), pode atingir todos os grupos etários. Em geral, um em cada dez homens sofrerá deste problema ao longo da vida.
Apesar de frequente, e com consequências devastadoras na qualidade de vida, só uma minoria procura ajuda médica. A vergonha e o preconceito fazem com que, actualmente, apenas 10% dos homens com esta disfunção estejam a receber tratamento, que na grande maioria dos casos é eficaz.
A disfunção eréctil tem várias causas: vasculares (problemas das artérias ou veias), neurológicas e hormonais. Pode também ser de origem psicogénica, mas o mais comum é ser de etiologia mista. Factores de risco importantes são a diabetes, hipertensão arterial, colesterol elevado, tabagismo, sedentarismo, alcoolismo, obesidade, depressão, alterações da testosterona, doenças neurológicas, grandes cirurgias pélvicas e traumatismos. Também a toma de medicamentos para controlar a hipertensão arterial, a depressão e a úlcera péptica, entre outros, pode causar disfunção eréctil. É possível prevenir a disfunção eréctil controlando os factores de risco.
Para se perceber qual o tipo ou a causa da disfunção eréctil fazem-se análises de rotina e hormonais, e nalgumas situações exames especiais, como o Ecodoppler peniano e a Rigidometria.
Hoje, os tratamentos mais recorrentes são de comprimidos, que têm elevado grau de eficácia. Em casos seleccionados, podem utilizar-se a terapêutica por Ondas de choque de baixa intensidade, a terapêutica hormonal de substituição, a psicoterapia, dispositivos de erecção por vácuo, injecções penianas e, mais raramente, a cirurgia.